Funcional,Core Training e Intervalados na capa da revista

Fui correr pelas ruas do meu bairro aqui em São Paulo esses dias e foi impossível não reparar nas bancas de jornais a capa da Revista IstoÉ dessa semana, sobre a qual muitos de meus clientes, alguns amigos e profissionais já perguntaram a minha opinião.

“O Novo Fitness” é a chamada principal e a matéria que foi publicada aponta três “tendências” principais que compõe essa “novidade”:

– Treinamento Funcional
– Treinamento do Core (core training)
– Treinamento Intervalado de Alta Intensidade

Li e reli a matéria. Também acessei o site da IstoÉ para conferir o que foi publicado online.

Matéria bem organizada, com depoimentos de profissionais renomados.

Treinamento Funcional e Core Training são alguns dos temas sobre os quais dou cursos, palestras, realizo workshops de capacitação de profissionais e também utilizo essa metodologia, em conjunto com outras, nos treinos dos meus clientes e na minha própria rotina de treino.
No último final de semana palestrei em um congresso, entre outros temas, também sobre Treinamento Funcional. Timing perfeito para que eu possa publicar aqui algumas das minhas considerações:

1 – O treinamento funcional não é novo. E nem é a “malhação do futuro”. Existe desde que o homem precisava se preparar fisicamente para qualquer atividade. Novos são alguns dos equipamentos mencionados na matéria. Os conceitos são antigos e muitos profissionais já utilizam com muita habilidade e criatividade esses conceitos e materiais nas suas prescrições de treinamento. O mesmo vale para o treinamento do core.

2 – Golaço da revista! Conseguiu esclarecer uma confusão que é comum inclusive entre profissionais da nossa área: treinamento funcional e core training não são sinônimos. Eles podem e devem ser COMPLEMENTARES. Em alguns aspectos possuem bases comuns, mas em outros, possuem conceitos diametralmente opostos. Exemplo: um dos princípios do treinamento funcional é a integração muscular realizada em movimentos que devem ser multi-planares e multi-articulares e core training implica no treinamento isolado de um pedaço do corpo. Já as características de estabilização articular e facilitação de transferências de força são bases comuns para ambos.

3 – Fiquei contente de ver que a revista não mostrou nenhum ato circense, como ficar em pé sobre a bola fazendo agachamentos, vinculando imagens como essa ao treinamento funcional ou ao core training. Outro gol da revista!!! Os riscos de posições como essa superam em muito os benefícios para a grande maioria das pessoas, devendo ser usados somente em situações muito restritas e com um público bastante preparado fisicamente para tal instabilidade. Vale lembrar que treinamento de equilíbrio, realizado com ou sem a ajuda de superfícies instáveis, pode ser um aspecto do treinamento funcional e do core training, mas não significa que ambos sejam a mesma coisa. É possível fazer treinamento funcional e do core sem obrigatoriamente adicionar instabilidade.

4 – Alguns dos materiais realmente fazem diferença. Ressalto o upgrade técnico que minhas prescrições de treinamento e meus próprios treinos tiveram quando passei a utilizar o Bosu, aproximadamente há dez anos atrás e também os kettlebells, há aproximadamente três anos atrás. Para a minha realidade de Personal Trainer que atende principalmente a domicílio, materiais leves e portáteis são ferramentas fantásticas. Não apenas pela facilidade de transportá-los e porque facilitam trabalhar com a metodologia funcional e de core training, mas também porque trazem variação e motivação para as minhas prescrições e sessões de treino.

5 – Faz bastante tempo que a ciência do exercício mostra benefícios superiores quando utilizamos métodos intervalados de treinamento ao invés de métodos contínuos, principalmente para a melhora cardiorrespiratória e também para o gasto calórico. Nesse aspecto, gostaria de apontar o treinamento com kettlebells como uma das opções mais interessantes. Muito mais do que uma ferramenta para treinamento funcional ou core training, os kettlebells permitem estimular o corpo de uma maneira que é difícil de ser conseguida com outros equipamentos e boa parte de sua metodologia de treinamento sugere treinos curtos, intervalados e de alta intensidade.

Segue aqui então um super elogio meu para a Revista IstoÉ que, apesar de ser direcionada para um público leigo, acertou em praticamente todos os aspectos técnicos da matéria que elaborou sobre a nossa área. O mérito merece ainda uma menção adicional quando realmente consideramos a diversidade de atividades, nomenclaturas e conceitos que os próprios profissionais da área utilizam e que poderiam facilmente confundir a criação da matéria.

Segue o link para o site da matéria online:

http://www.istoe.com.br/revista/indice-de-materias/582_O+NOVO+FITNESS

Boa leitura !

Abraços

Ivan de Marco
Personal Trainer
Life Coach

Sobre Ivan de Marco

Personal Trainer Life, Connections, Happiness & Performance Coach Hypnotherapist Speaker and Writer Sports, Dogs, People, Music, Movies and Technology lover!
Esse post foi publicado em Treinamento. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s